terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Se somos humanos, sujeitos ao erro,


Se somos humanos, sujeitos ao erro,
Toda nossa ação cheia de vontade
Tem uma dose de acerto até a metade
E uma hora certa para lhe dar o enterro

Pois, se humanos, temos vida e morte,
Como também têm as nossas ações,
O poder, o saber, as lutas e as revoluções
Seja a ideia mais sábia ou ao mais forte

Mando de quem quer que seja. Chega
A hora em que se faz necessária a mudança
E ela será mais inclemente quanto mais cega

For a mente a que a ela se negar. Não há motivo
Que faça perdurar. Ela se ocara e a liderança
Tombará com o motivo que não seguirá vivo.

Francisco Libânio,
22/02/11, 10:43 AM
Postar um comentário