domingo, 30 de janeiro de 2011

O colo no qual repouso o amor é terno,


O colo no qual repouso o amor é terno,
As mãos que acariciam, de bondosas,
São motes do querer. Rendo-lhe glosas
Íntimas só tuas enquanto no colo hiberno

Protegido do que for maldade. E em paz
Transcrevo este poema em minha imaginação
Enquanto a que me acomoda, em introspecção
Parece ler e, em gratidão, mais carícias me faz

Eis que o leitor me pergunta: Então escreveste
O poema no colo de tua amada? Não, digo,
O poema lá pensado em nada se parece com este

Aquele poema e glosas morreram quando saí
Do colo da amada que lhes dava calor e abrigo
E eram mais amorosos que o poema que escrevi.

Francisco Libânio,
14/03/10, 11:54 PM
Postar um comentário