segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Este vazio


Este vazio que não se preenche logo
Por mais que eu lhe jogue esperanças,
Expectativas e amores lhe e ateie fogo
Para cobri-lo. Sobram as inseguranças

Que o recavam e põem as ordenanças
Deixando para mim o cansativo jogo
De tapá-lo para elas virem de lanças
E pás me picar e me deixar no afogo

Deste vazio com os pés à sua borda
Pronto pra cair. Ah, esta maldita horda
De maus quereres que me querem mal...

Cavem fundo este vazio que me assola
E sonhem em me ver dentro até a gola,
Eu o fecharei com vocês nele ao final!

Francisco Libânio,
10/01/11, 4: 14 PM
Postar um comentário