sábado, 2 de maio de 2015

1862 - Soneto despido

Que ideia fixa essa com a nudez
Tem o poeta. Que ele a explique.
Eu já a explico no mesmo pique
Para que não perder nem a vez

Nem a dúvida. Parece insensatez,
Mas é admiração. Que petrifique
No soneto o que talvez não fique
Na escultura com toda sua altivez

Renascentista. A forma tão exata
Física e estética, vezes até chata,
É preterida. Venham as informais

E humanas formas livres, cheias
Longe dos modelos ou até feias.
O poeta ama nudezes normais.

Francisco Libânio,
28/04/15, 12:32 PM
Postar um comentário