sexta-feira, 1 de maio de 2015

1861 - Soneto de luz apagada

É no breu completo e irrestrito
Que ela resolveu ser a mulher
E se entregar com total prazer,
Por condição havia o requisito:

Vê-la nua de saída era proscrito.
Primeiro amor não precisava ver.
Quero ver se você vai me querer
Ou querer o que vê. Tal conflito

Foi vencido. Amamos no escuro,
Caiu dela o intransponível muro
E revelou-se para mim a surpresa:

Algo imprevisto que não obstou
O amor, só requintou esse show
Cheio de amor, cheio de destreza.

Francisco Libânio,
28/04/15, 9:28 AM
Postar um comentário