terça-feira, 29 de maio de 2012

0161 - Soneto para a Carolina de Chico Buarque


Esses olhos tristes que guardam a dor do mundo,
Por que assim que não se alegram com o carnaval,
Com a dança, a rosa ou o samba? Que é esse mal
Que deixa numa linda alma de mulher tão profundo

Corte? Olha, Carolina, pelo menos por um segundo
Que lindo lá fora, mas olha logo que logo é tchau,
A rosa morrerá, a festa acabará, nada será igual
E ser triste para além da tristeza é ferir mais fundo,

É represar menos amor do que o que já não existe,
É perder a chance de sorrir porque se estava triste,
É não ter jogado o mal fora com a estrela que caiu,

Enfim, quando se é triste pode-se cantar mil versos,
Pode-se cansar de explicar, pode se rezar mil terços
E daí? O tempo passou na janela e Carolina não viu.

Francisco Libânio,
29/05/12, 12:08 AM
Postar um comentário