quinta-feira, 18 de junho de 2009

Soneto da Rosa Inútil


Extraído de http://farm2.static.flickr.com/1100/542643827_27f41c4f1d.jpg

Quantos segredos poderia contar uma rosa,
Em quantos versos e rimas ela poderia caber,
Quantos namorados ela poderia satisfazer
Sendo um presente ou inspirando uma glosa

De amor. Enfim quanto tudo ela poderia ser
Se não fosse só uma numa praça ruidosa
Cercada por ruas e por gente tão nervosa
Com suas vidas e incapaz de se entreter

Com uma flor bucólica, natureza solitária
E rubra em meio à selva branca e calcária.
Como seduzir essa gente tão desafeiçoada

À simplicidade e sem amor em suas vidas?
A rosa tenta em vão enquanto caem esquecidas
As pétalas e ela morre sem servir pra nada.

Francisco Libânio,
18/06/09, 8:58 AM
Postar um comentário