terça-feira, 16 de junho de 2009

Intensamente


Extraído de http://www.blogger.com/post-create.g?blogID=3531886792400112039

Escreveu-se este soneto intensamente
Como intenso era o amor que habitava
No coração do poeta. Tanto que faz em lava
O vulcão de amores no coração ardente

E dele jorrou o ígneo caldo quente,
Descendo do vulcão com fúria brava
De tanto amor que há muito não amava
Tragando o que encontrava a sua frente

Mas igual à mesma lava que se cristaliza
Expelida pelo vulcão do forno interior,
Este amor, assim que foi jogado fora

Pelo coração virou rocha morna e lisa
Com cristais de rubra e forte cor
Como este soneto que é lido agora.

Francisco Libânio,
10/05/09, 12:50 AM
Postar um comentário