segunda-feira, 15 de junho de 2009

O Puro e o Vulgar


Extraído de http://2.bp.blogspot.com/_5yWnBoaF-8g/SPdhYFGIBPI/AAAAAAAABYY/AYdnXvrIpX4/s320/124A.JPG

Não te rias se te disserem que o vulgar
E o puro andam juntos. Mãos dadas,
Mesmo lado e passo, andam sem se olhar,
Mas sentindo, ambos, afeições veladas

O puro na ilusão de idílio, de fadas
Carece do outro para que aqueça seu ar
Enquanto o vulgar ante as desregradas
Enjoa-lhe as alcovas e precisa de um mar,

De uma relva, do frescor do romance
Cavalheiresco e gentil achados na pureza
Equilibrando ambos suas existências.

Eu, que amo sem perder da malícia a chance,
Procuro tuas mãos puras, louvo tua beleza
E deito-te amando com doces indecências.

Francisco Libânio,
05/05/09, 12:47 AM
Postar um comentário