segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

1761 - Soneto para o vídeo-cassete

De sua caixa, o vídeo cassete ouvia
A alegria da família e o som cristalino
Do DVD, seu sucessor mais genuíno
No mister que é proporcionar alegria,

Diversão. Lembrou quando se reunia
A criançada. O período régio, joanino,
Maravilhoso, mas seguiu seu destino
E foi encaixotado, mas ele já sabia:

Rei morto, rei posto, essa regência
Do DVD acabaria em obsolecência
Igual, seriam vizinhos nesse armário.

De lá pensava. E ele não grava nada!
Era essa felicidade triste e resignada
Que lhe calava a dor de ser inutilitário.

Francisco Libânio,
06/08/14, 12:05 PM
Postar um comentário