terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Soneto para combater minhas mágoas


Não queria ter raiva ou estar magoado,
Mas há aqui um peito em fase de cura
Que foi ferido e louco a ser recuperado
Após tantos golpes, após tanta fissura

Foi preciso um repouso até contrariado,
Para que tudo se fechasse com costura,
Foi preciso tirar quem se estava ao lado,
Buscar outro remédio, fazer uma procura

Noutras faces. Quanto às minhas mágoas,
Por mais que eu não as queira, trago-as
Comigo tentando educá-las à uma maneira

Menos rude que matá-las, pois não preciso
Ser carrasco do que um dia foi um sorriso,
Dor permanente de uma alegria passageira.

Francisco Libânio,
21/12/10, 11:30 AM
Postar um comentário