quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

O poema do meu amor


O poema do meu amor, queria com letras douradas,
Em seda chinesa e ornei com diamantes
Fiz requinte e fiz beleza para compará-lo
A ela em quesitos em que ela é inigualável
O poema do meu amor foi escrito de forma amável
E quis correr o mundo e perigos para dá-lo
Em mãos. Combinei com pássaros cantantes
Para ao final da leitura piar odes apaixonadas

Mas não foi bem assim, o dourado era bijuteria,
A seda era imitação e os diamantes eram caros,
Sobraram o requinte e a beleza, mas comparar?
Como, se ela é a mulher mais linda do planeta?
Não me intimidei corri o mundo ao me fazer poeta,
Convoquei os pássaros dizendo o que se ia cantar,
Meu amor leu, ponderou e relevou o despreparo;
Agradeceu o verso dizendo que sendo meu ela o leria

Oras, que bobo que fui. Querendo encher de rococós
E de perfumarias algo simples como uma flor,
Esqueci-me que todo o ornamento cala a voz
Tímida, mas eloqüente que tem este meu amor.

Francisco Libânio,
15/12/10, 10: 26 AM
Postar um comentário