quarta-feira, 11 de junho de 2014

1696 - soneto deslocado pelo amor

às vezes a gente dá uma corzinha.

E o poeta, pouco afeito a romance,
Fala de beijo num poema. Estranho.
Relembrou aquele Chico de antanho
Que escrevia de amor a cada lance,

Mas hoje já não há nada que afiance
Mais no poeta a redução de tamanho
Do amor. Não que não haja assanho
Ou que o amor, de supetão, alcance

Um soneto ou outro. Como aconteceu,
Os beijos sonetearam algo menos eu
E mais a minha adolescência amorosa.

Tento enegrecer o soneto de verdade
Ou tingir o vermelho da sensualidade,
Mas, às vezes, o soneto fica todo rosa.

Francisco Libânio,
19/05/14, 6:54 PM
Postar um comentário