terça-feira, 10 de junho de 2014

1694 - Soneto dos beijos achados

Achando beijos por aí.

Achei alguns beijos que, perdidos,
Queriam um dono com a urgência
De quem a isso pende a existência,
Pois foram abandonados, corridos,

Condenados, por pouco, destruídos.
Assim, os beijos, após experiência
Traumática, careciam da emergência
De um cuidado, mas foram ouvidos?

Vistos? Provocaram outra atenção
Além da do poeta que por convenção
Vê beijos, o que ninguém ouve e vê?

Pois nem esse, tão pendido ao chulo,
Resiste. Tomo-os, com eles bem bulo
E uns beijinhos ganho, pequeno fuzuê.

Francisco Libânio,
19/05/14, 11:15 AM
Postar um comentário