segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Soneto a Nossa Senhora Aparecida


Manto azul, mãos prostradas em oração,
Foi achada num rio por três pescadores.
Adorada, ela foi intercessora de favores,
Atribuíram-lhe milagres, fez-se a devoção.

E agora, tu, ó mãe, padroeira da Nação,
Como farás para lidar com os detratores
Descrentes, violentos, vis e profanadores
Que te agridem, mas gozam em diversão

Do teu dia, o dia em que há mais fervor,
Mais fé e que te lembram como padroeira
Com devoção o crente e displicência o vil?

Eu, que não creio, aprendo apenas o amor
Teu, exemplo que pregas como a primeira
Santa, a mais amada e querida do Brasil.

Francisco Libânio,
12/10/09, 11:04 AM
Postar um comentário