segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Quadras de esperança


Extraído de http://2.bp.blogspot.com/_C8DHqJq3cAg/SPpPlpsbqII/AAAAAAAAAak/cgZReVbgyS4/s400/deserto.jpg
Não que eu não seja de tudo descrente,
Minha crença tem o tamanho do meu dia
E meu dia encontra uma noite pela frente
E a noite apaga tudo. Assim onde havia

Um sonho há agora algo que não se fia
Na minha capacidade. Em minha mente
Apenas o que era. O futuro se desanuvia,
Um deserto manda que eu o enfrente.

Assim, num deserto, como posso acreditar
Que além dele virá algo que não é deserto?
Como imaginarei que há um algum lugar
Que não seja o que é igual ao que é perto?

Não sei como o farei, mas farei, isso é certo!
Um resto de esperança ainda haverá de brotar
E não sei por que, mas, vejo que neste deserto
Timidamente, a paisagem começa a mudar.

Francisco Libânio,
19/10/09,
7:16 PM
Postar um comentário