domingo, 28 de setembro de 2008

01 - 14-04-08


Como eu queria que fosses quem não és
E nem serias ainda que muito eu quisesse,
Terias de voar para chegar àqueles pés,
Teu jeito com o que quero de longe se parece

Mas não é tua culpa. És o que és somente,
Teus defeitos e virtudes não roubaste,
São teus, nascidos e adquiridos, és diferente,
Como o é o jeito humano que tu criaste

És bela, não a beleza que amo, mas és bela
O bastante para cativar. Este teu encanto
É próprio e não há quem por ti não se encante

Não és minha musa amada, mas para sê-la
Não serias tu. Só se parecem e portanto
Sê o que és e serás para mim o bastante.

Francisco Libânio
14/04/08
9:23 AM
Postar um comentário