quarta-feira, 1 de setembro de 2010

A coisa certa


Pedes-me que eu fale a coisa certa ou a faça.
Certo. E eis que se fez uma grande interrogação
Em minha mente. Coisa certa, coisa certa. Caça
Que caça uma palavra, um gesto, uma ação

Teu olhar de espera tristeza e o tempo que passa,
A coisa certa, a coisa certa... Céus! Fala, dá uma noção
De coisa certa, qualquer uma que te satisfaça
Ou qualquer coisa que possa atingir teu coração

Enquanto isso, teu silêncio me repreende duro,
Chama-me de insensível, de tolo, de incompetente,
Questionas meu amor por eu não te demonstrá-lo

Eis que, pressionado, apelo para um tiro no escuro,
Tomo-te em meus braços e te beijo ardentemente
Se foi a coisa certa não sei, mas aprovas tal regalo.

Francisco Libânio,
31/08/10, 9:30 PM
Postar um comentário